NIna e Rosário


link para a matéria: VIDA01_20120427

prêmio FNLIJ 2012

Saiu a lista dos premiados pela FNLIJ em 2012. “O Alvo” ganhou na categoria “criança”.
segue o link para a lista completa: http://www.fnlij.org.br/imagens/primeira%20pagina/2011/Premiados%202012.pdf

 

O Alvo na Folha

24/03/2012 – 03h30

Especialistas escolhem os melhores livros infantis

GABRIELA ROMEU
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Será que esse livro é bom? Tem gente que tem a tarefa de responder a questões como essa: são especialistas que leem as obras publicadas e indicam quais são as boas histórias para o leitor se aventurar.

Todos os anos, um grupo ligado à FNLIJ (Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil) participa de uma verdadeira maratona de leitura para indicar essas obras.

Em 2011, eles leram 1.168 livros e 193 foram selecionados para um catálogo que viajou até a Feira de Bolonha, que aconteceu nesta semana na Itália. É um evento muito importante para quem produz livros para crianças.

Essa seleção reforça tendências na produção de livros para crianças. São destaques as obras de autores que são escritores e ilustradores. Saltam também nas prateleiras livros com ousadias gráficas, como “O Alvo”, que tem um furo em todas as páginas, e “Inveja”, com formato sanfonado.

Elisabeth Serra, secretária-geral da FNLIJ, conta que o catálogo mostra a diversidade da produção brasileira de qualidade.

“Nem todos os livros do catálogo merecem prêmios, mas a lista indica a variedade de um mercado fortíssimo”, afirma Serra.

Veja o catálogo completo da FNLIJ (em inglês) aqui.

Abaixo a “Folhinha” destaca dez livros dentre os 139 brasileiros de 2011 eleitos pela fundação do livro infantil:

Daniele Doneda/editoria arte
http://www1.folha.uol.com.br/folhinha/1065194-especialistas-escolhem-os-melhores-livros-infantis.shtml

entrevista abcd maior

08/03/2012 – ARTIGO
ON LINE COM RENATO MORICONI E A GRANDE FEIRA DE LIVROS
Por: por Penélope Martins  (www.todahoratemhistoria.blogspot.com)
Penélope Martins
Penélope Martins
Toda Hora Tem História indica um autor de São Paulo e disserta sobre o grande evento de livros infantis na Itália
A Feira de Bolonha é um importante evento internacional dedicado à publicação infanto-juvenil, assim como indústria multimídia com mesma destinação. A realização será de 19 a 22 de março neste ano de 2012. Lá em Bolonha, Itália, autores, ilustradores, editores, impressores, distribuidores e outros profissionais do mundo dos livros procuram conhecer as publicações de todos os países participantes estreitando os contatos para oportunidades de negócio, debatendo as últimas tendências e transformações da literatura infantil, vendendo e comprando direitos de publicação.  Neste ano serão mais de 66 países participando da 49ª edição da grande feira de literatura.Junto com o evento, todo ano são selecionados os títulos indicados pela Diretoria da Feira de Bologna que mantém aliança com nossa FNLIJ, Feira Nacional de Literatura Infanto-Juvenil. Imperdível vasculhar na enorme lista de indicados, assim como abrir os olhos para percebê-los nas nossas prateleiras de livrarias prediletas.  O link http://www.fnlij.org.br/imagens/arquivos/catalogos%20bolonha/Bolonha%202012.pdf nos leva diretamente à lista mágica.

Um dos nomes que podemos notar entre autores e ilustradores é o de Renato Moriconi, um menino que abusa, no melhor sentido, da inteligência tanto na ilustração como também em textos de sua autoria. “A feira de Bolonha é a mais importante no que diz respeito à literatura infantil por isso, estar no estande da FNLIJ, representando o Brasil é uma grande honra. E uma grande alegria também!”, disse Renato, que com entusiasmo aceitou responder às minhas perguntas.

Renato Moriconi cresceu no centrão de Sampa, graduou-se na Faculdade Paulista de Artes, em Artes Plásticas, concluiu especialização na USP, em Design Gráfico.

Renato tem 32 anos, mas já completa vinte anos como ilustrador, uma vez que sua primeira experiência na área foi aos 12 anos com um trabalho para um jornal de circulação interna de empresa:

– Comecei a trabalhar cedo como office boy  de um consultório dentário. Lá, nas horas vagas, eu fazia o que mais gostava: desenhar. O dentista levou uns desenhos meus pra uns amigos que tinham uma lanchonete frequentada por um pessoal da área de design e comunicação no bairro da Pompéia. Lá, um editor conheceu meu trabalho e me chamou pra trabalhar com ele, ilustrando algumas de suas publicações. Fiquei nessa editora dos 14 aos 18 anos. Depois saí pra montar meu ateliê, com foco voltado para a arte do livro.

O primeiro livro publicado foi em 2003 pela Editora DCL, “O Espelho de Olmeca”, em que ele participou como ilustrador em texto de Tiago de Melo Andrade.  Mais tarde, a mesma casa editorial abrigou o primeiro livro com texto e ilustração de Renato, O sonho que brotou, um livro que sensibiliza pela simplicidade e grandeza da infância. Um marco para a vida do artista. Depois veio “Dia de Sol”, publicado pela Editora Jujuba. Renato começou sua doce mistura de linguagens para utilização de toda expressão possível no objeto livro, “nele trabalho um pouco em cima do que os poetas Ferreira Gullar e Reynaldo Jardim chamam de livro eterno. Esse livro é um eterno nascer do sol”.

Ilustrando, Renato Moriconi teve seu trabalho incluído na Lista da Grande Feira de Bolonha em 2011, com Telefone sem fio, texto de autoria de Ilan Brenman editado pela Companhia das Letrinhas. Já em 2012, Renato Moriconi aparece na lista como ilustrador de O Alvo, texto de Ilan Brenman, Editora Ática; Cantiga de Trem, texto de Sandra Lopes, Editora Prumo; e com seu livro imagem E a Mosca foi pro Espaço, da Editora Escala Educacional.

Há razões de sobra para procurar pelos livros assinados por Renato Moriconi, um ilustrador genial que também desenha com palavras e transforma seus livros em verdadeiros objetos espetaculares, quer pelo tamanho, utilização de cores, pequenas singelezas ou até mesmo um grande furo. Renato dialoga com seu trabalho à procura de poesia.

Além disso tudo, posso assegurar, Renato Moriconi é uma dessas figuras que transbordam simpatia e afeto. Eu mesma sou uma das beneficiadas com a acolhida do amigo que, embora ainda não tenha sentado à minha mesa – mas espero que o faça em breve – já gasta horas de boa conversa trocando impressões sobre letras, caminhos, projetos, ilustrações etc.

Por essas e outras que eu não poderia deixar de indicar aos ávidos leitores o nome de Renato Moriconi, como também não posso me olvidar de deixar cravado meu ENORME muito obrigada para o amigo por esta entrevista on line.
http://www.abcdmaior.com.br/noticia_exibir.php?noticia=38930

 

Biblioteca da Emília

http://www.revistaemilia.com.br/mostra.php?id=125

Telefone no blog Librerie Indipendenti Ragazzi

http://librerieindipendentiragazzi.com/2012/02/21/aspettando-la-fiera-3/

 

XXIII Bienal de Bratislava

Em setembro passado, Bratislava (Eslováquia) abriu sua XXIII bienal de ilustração. Participei dessa mostra com algumas pinturas do livro “Telefone Sem Fio”.  Outros colegas brasileiros também participaram: Daniel Bueno, Eva Furnari, Guazzelli, André Neves, Jean-Claude Alphen, Mateus Rios e Geraldo Valério.